Grão Mestre Park Sung Jae – História
 
A história que será contada a seguir não tem nenhuma ligação com a linha de Yong Sul Choi nem de Ji Han Jae, trata-se de uma outra linhagem por qual trilhou o Grão Mestre Park Sung Jae. É possível haver semelhanças na formação do artista marcial que se tornou um mestre de HAPKIDO, porém devemos considerar que conhecimentos de antigas artes marciais coreanas não eram exclusivas de determinada família ou linhagem.
 
Antes de entrarmos em maiores detalhes é preciso fazer uma abstração sobre o cenário em que se encontrava a Coréia do início até meados do século XX e também sobre a forma de pensar do povo coreano.
 
Devemos ter em mente que durante 1909 a 1945 o Japão dominou a Coréia tratando-a como uma colônia, obrigando o povo coreano a adotar a cultura japonesa em todos os sentidos …. linguagem, artes, arquitetura, artes marciais, etc. Vamos lembrar também que mesmo após a retirada do Japão, a Coréia passou por diversas dificuldades e disputas políticas culminando com a guerra cívil no ano de 1950 e que acabou separando o país em Coréia do Sul e Coréia do Norte.
 
Devemos lembrar também que as escolas de artes marciais não seguiam os padrões atuais que estamos acostumados. Não havia um curriculum definido, a sequência de aprendizado seguia o que o mestre considerava importante naquele momento, havia o clima de guerra, nem todo ensinamento era aprendido em academias, muitos conhecimentos eram passados pelos familiares e não havia uma graduação padronizada.
 
Foi neste ambiente que nasceu em 10/11/1938 o Grão Mestre Park Sung Jae, primogênito de uma família de 5 irmãos (4 irmãos e 1 irmã).
 
GM Park Sung Jae nasceu na cidade de Hwan Hae Do atualmente parte da Coréia do Norte e migrou-se posteriormente para Seul, capital da Coréia do Sul.
 
Seus primeiros contatos com artes marciais iniciaram-se dentro de casa por volta dos 4 anos de idade, já que seu pai e tios eram praticantes de algumas artes marciais coreanas, porém foi as 6 anos que vestiu um Do Bok (kimono) pela primeira vêz para iniciar de fato seu treinamento em artes marciais.
 
Seu pai era exímio lutador de Sshireum (tipo de sumô coreano), porém seu aprendizado na verdade foi feito com seu tio No Suk Pak que praticamente o adotou. O senhor No Suk Pak era mestre em Yudo, Gundo e extramente habilidoso com o uso da bengala, bem como profundo conhecedor de Sshireum (tipo de sumô coreano). O mestre No Suk Pak foi diversas vezes campeão de Yudo e era bem conceituado na comunidade coreana. Havia também outra arte marcial antiga que o mestre No Suk Pak dominava com perfeição e que fora ensinado a ele pelo mestre Ik Joon Hong o que viria a se tornar a base principal do HAPKIDO moderno transmitido pelo GM Park Sung Jae. Tratava-se do Hapki Yu Sul.
 
Hapki Yu Sul é uma arte marcial multidisciplinar cujas palavras que formam o nome significam literalmente o uso da flexibilidade em harmonia com as energias vitais. Era no fundo do seu quintal que o jovem garoto Park Sung Jae iniciava-se no caminho das artes marciais.
 
O mestre No Suk Pak era muito rigoroso com seu jovem aluno e castigos físicos eram bastantes comuns, bem como forçava exercícios físicos intensos e nas demonstrações de golpes, mostrava quão doloridos eram as técnicas. Como forma de avaliação de seu aprendizado e uso de sua técnica, o mestre No Suk Pak ordenava a seu jovem discípulo que enfrentasse alguns marmanjos na rua e voltasse vitorioso de suas brigas.
 Na faixa dos 11/12 anos o jovem Park Sung Jae também havia iniciado treinamentos com a arte marcial chamada Tang Soo Do com um outro mestre chamado No. Este mestre era bastante conhecido na região pelas suas qualidades técnicas e foi aí que o jovem Park Sung Jae ampliou e aprimorou suas habilidades nos chutes. GM Park Sung Jae obteve a primeira faixa preta com a arte marcial Yudo aos 13 anos de idade.
 
Naquela época para se obter uma faixa preta era necessário participar de um campeonato nacional realizado todo ano e não havia distinção de pêso ou idade nesta competição. O jovem Park Sung Jae tentou obter a faixa preta por 3 anos seguidos até que no quarto ano ele conseguiu a façanha derrotando 3 oponentes adultos, maiores e mais pesados que ele. Este fato foi noticiado amplamente nos jornais em função da pouca idade do jovem Park Sung Jae e pelas características dos adversários derrotados (eles eram todos da guarda policial da Coréia que estavam tentando sua graduação em Yudo).
 O jovem Park Sung Jae ao final de sua adolescência, com um corpo formado e forte e já com uma excelente base de todas as técnicas aprendidas continuou a procurar por novos ensinamentos. Sempre o fascinou a idéia de procurar pelas 10 técnicas perdidas mencionadas na história do monge Seo San Dae Sa.
 
Diz a lenda que o monge Seo San Dae Sa dominava 25 técnicas especiais, porém 10 delas ficaram perdidas por não haver, segundo opinião deste monge, um discípulo a altura para receber as 10 técnicas especiais restantes. Com a morte deste monge este conhecimento foi enterrado junto com ele.
 
Os nomes dessas 10 técnicas são conhecidos, porém os tipos de treinamentos e os detalhes técnicos são desconhecidos.
 
Em sua pesquisa e busca de novos conhecimentos com outros mestres, GM Park Sung Jae aprendeu acupuntura, massagem, CHA RYUK (técnicas para aprimorar o desenvolvimento do Ki pelas fontes da natureza), meditação, respiração, bem como outras diversas experiências místicas e espirituais que contribuiram para o seu aperfeiçoamento. Entre esses treinamentos vale a pena mencionar os aprendizados com um monge de nome Il Sé Yang (não se sabe o nome verdadeiro, porque os monges usavam nomes simbólicos). Durante mais de 2 anos GM Park Sung Jae visitou este monge em períodos variados para aprender e desenvolver o treinamento em CHA RYUK e outras técnicas de desenvolvimento mental. Durante este período de treinamento GM Park Sung Jae passou por diversas experiências das mais espetaculares e de difícil compreensão para as pessoas comuns.
 
GM Park Sung Jae era um praticante determinado e sempre procurou a perfeição e superação de limites. Sempre procurou superar as marcas de outros praticantes, seja com chutes mais altos, mais velozes, mais fortes, etc.
 
Por volta de 1954 o jovem discípulo Park Sung Jae e seu mestre No Suk Pak passaram a organizar melhor os treinamentos, redefinir as técnicas a serem aprendidas para cada nível, enfim apresentar um novo formato para o que eles chamavam HapKi Yu Sul e também identificando esta nova escola como Jung Do Kwan (escola do caminho reto).
 
Todo o conhecimento adquirido sobre o Yudo, Gundo, Sshireum, técnicas de bengala, armamentos diversos, respiração, desenvolvimento do Ki e principalmente tendo como base o Hapki Yu Sul seriam mais tarde integrados para a reformulação do HAPKIDO moderno* transmitido pelo GM Park Sung Jae às suas gerações futuras.
 
O jovem discípulo do mestre No Suk Pak passou a administrar a academia junto com seu mestre e durante os anos 60 tiverem em média 300 alunos com mais de 4 academias afiliadas. Formava-se então a base do HAPKIDO que conhecemos hoje transmitida pelo GM Park Sung Jae.
 
*Vamos chamar de HAPKIDO moderno a partir do momento que foram redefinidas todas as técnicas e estipulados padrões de procedimentos para os treinamentos e aprendizados de técnicas durante os anos 50 e 60. Embora tenha tido uma nova reformulação no processo de aprendizado e treinamento, o GM Park Sung Jae não considera isto como o nascimento de uma nova arte marcial como muitos dizem por aí. Ele afirma que as técnicas já existiam há muitos e muitos anos e que a palavra hapki também já era conhecida. É por isso que ele não concorda quando pessoas afirmam que o mestre Yong Sul Choi ou Ji Han Jae são os fundadores do HAPKIDO.
 
Por volta de 1962/63 o mestre Park já era detentor do 4° grau e sua academia já era bastante conceituada.
 
Nos anos 60 como a Coréia já estava um pouco mais adaptada com o cenário pós ocupação japonesa e a guerra cívil, surge a necessidade de organizar melhor as artes marciais, bem como de resgatar determinados valores da cultura coreana. Com este objetivo alguns dos principais mestres de artes marciais e orgãos do governo decidem criar a Korea Kido Association numa tentativa de unificar as artes marciais coreanas semelhantes debaixo de uma única organização.
 
O GM Yong Sul Choi passou a ser o primeiro presidente desta organização. Como a Korea Kido Association não era exclusiva para a organização do HAPKIDO e vários outros mestres perceberam a necessidade de dar maior foco e de fortalecer ainda mais esta arte marcial, o Sr Dae Hoon Choi, pertencente a uma família de militares e presidente da Ki Ap Do (tipo de CHA RYUK), cria a Korea HAPKIDO Association. Em 1965 esta associação é organizada e em 1967 registrada oficialmente, sendo esta a primeira associação oficialmente reconhecida pelo governo coreano.
 
O sr Dae Hoon Choi foi o criador do símbolo da águia segurando a flecha.
 
A Korea HAPKIDO Association foi presidida pelo sr Dae Hoon Choi, tendo como presidente de honra o sr Cheng Kyu Pak (cargo político).
 
O GM Park Sung Jae foi escolhido para assumir a secretaria geral e o mestre Ji Han Jae para ser o mestre geral. Nesta associação estavam filiadas na época cerca de 34 academias com estilos variados de HAPKIDO.
 
Os principais objetivos desta associação eram a unificação do HAPKIDO, divulgação e padronização dos treinamentos e técnicas.
 
Uma série de padrões, conceitos, filosofias, etc, foram redefinidos pelos mestres participantes da diretoria e então divulgados para as academias filiadas. Vários seminários foram realizados e diversos materiais distribuídos para as academias.
 
GM Park Sung Jae, como secretário geral, tinha um papel fundamental nas questões relativas a organização dessa associação, bem como na elaboração dos certificados onde constavam sua assinatura.
 
Devido a disputas políticas e divergências de opiniões entre a diretoria, esta associação foi dissolvida em 1969.
 GM Park Sung Jae então alia-se ao GM Myung Jae Nam e ao seu antigo mestre No Suk Pak para formar uma nova associação de Hapki Yu Sul que passa a existir a partir de 1969. Esta associação é registrada no Ministério da Cultura sob número 32 do decreto lei específico. Para a presidência desta associação foi indicado o senhor Seung Won Yoo (assessor de gabinete de ministério do governo), GM No Suk Pak como diretor presidente, GM Park Sung Jae como mestre geral e GM Myung Jae Nam como fundador.
 
Neste período o GM Myung Jae Nam tem intenso intercâmbio com a turma do Aikido no Japão. O GM No Suk Pak falava fluentemente o japonês e tinha muitos contatos com a turma do Aikido, facilitando o intercâmbio do GM Myung Jae Nam. Todos os diplomas emitidos nesta época por esta associação mencionavam o nome de Morehei Ueshiba e a ligação com o Aikido no cabeçalho do certificado.
 
Embora GM Myung Jae Nam e GM Park Sung Jae estivessem ligados a mesma associação, cada um mantinha com suas academias filiadas, seu próprio estilo, o GM Park Sung Jae com seu HAPKIDO mais tradicional e o GM Myung Jae Nam com um HAPKIDO com influência do Aikido. Esta associação chegou a ter cerca de 80 academias afiliadas.
 
Foi ainda fazendo parte desta associação e com o objetivo de divulgar o HAPKIDO pelo mundo que cogitou-se da necessidade de enviar alguém para o Brasil.
 
Todos sabiam que a comunidade japonesa no Brasil era grande e que as artes marciais como Judo, Karate e Aikido estavam tendo grande aceitação no Brasil.
 
Ficou decidido então, enviar um aluno do GM Park Sung Jae para o Brasil em 1971. Esta pessoa foi enviada, passou a residir no país, mas não teve sucesso em implantar o HAPKIDO por aqui e foi então que decidiu-se que a melhor solução seria enviar o próprio GM Park Sung Jae.
 
Haviam outras oportunidades para ele, como trabalhar na guarda presidencial ou continuar administrando as academias que na época já estavam em torno de 40, mas a decisão foi de vir para o Brasil.
 
GM Park Sung Jae chega ao Brasil em 6 de Março de 1972.
 
Muita gente pensa que ele foi convidado pelo exército brasileiro, mas na verdade ele chegou no Brasil sem nenhum convite especial.
 
O que aconteceu é que ele procurou o alto comando do exército e se ofereceu para ensinar os militares brasileiros.
 
Para convencer o alto comando de suas qualidades técnicas foi preparado uma demonstração em um ginásio do exército em Quitaúna e nela o GM Park Sung Jae solicitou aos presentes que o atacassem. De forma surpreendente o GM Park Sung Jae dominou todos que o atacaram o os colocou no chão. GM Park Sung Jae agiu tão rápido que o coronel presente pediu para que ele repetisse a ação, porém aqueles que sofreram os ataques se recusaram a repetir em função dos fortes golpes que já havim sofridos.
 
A partir de então o GM Park Sung Jae foi aceito e passou a treinar uma equipe do exército brasileiro.
 
Em homenagem ao HAPKIDO e ao GM Park Sung Jae pelo seu esforço e dedicação ao ensino dos militares brasileiros foi erigido um monumento dentro do quartel do exército.
 
Com a vinda do GM Park Sung Jae para o Brasil, seu irmão mestre Park Kyu Jae passou a tomar conta das academias na Coréia.
 
Em 1973 o GM No Suk Pak faleceu e a associação de Hapki Yu Sul então existente é encerrada.
 
Em 1974 a Korea HAPKIDO Association é reorganizada e é indicado como presidente o sr Woo Joung Kim (presidente da Dae Woo indústria de automóveis), o GM Myung Jae Nam passa a ser o mestre geral tendo o mestre Moo Hong Kim como diretor desta associação. Esta associação não dura muito tempo e em 1978 o GM Myung Jae Nam cria a International HAPKIDO Federation.
 
Em 1973 o GM Park Sung Jae organizou a criação da Associação HAPKIDO do Brasil.
 
GM Park Sung Jae mantem-se aliado ao GM Myung Jae Nam, sem porém fazer parte oficialmente de organizações que viriam a ser criadas pelo GM Myung Jae Nam. Em 1990 , ainda em função deste relacionamento é enviada uma delegação brasileira para participar do 1° encontro mundial de HAPKIDO, organizado pela International HAPKIDO Federation. O relacionamento entre GM Myung Jae Nam e GM Park Sung Jae durou até o início de 1993.
 
Em meados de 1993 o mestre Myung Jae Ok irmão gêmeo do GM Myung Jae Nam, passa a convidar o GM Park Sung Jae para fazer parte da Hoi Jeon Moo Sul Federation. Ainda em 1993 uma equipe brasileira de HAPKIDO ligado ao GM Park Sung Jae vai ao México para participar do
 1° encontro mundial de Hoi Jeon Moo Sul.
 
O mestre Myung Jae Ok vem ao Brasil em 1994 para tentar introduzir o seu estilo no Brasil, porém não encontra grande aceitação por parte da comunidade ligado ao GM Park Sung Jae. Este relacionamento informal entre o GM Park Sung Jae e o mestre Myung Jae Ok dura até meados de 1995, quando então as relações são definitivamente encerradas.
 
Atualmente GM Park Sung Jae continua ensinando o HAPKIDO com aulas privadas para um grupo seleto de faixas pretas e também apresentando seminários no exterior e no Brasil. O GM Park Sung Jae não está oficialmente ligado a nenhuma federação internacional de HAPKIDO.
 
Há um grupo de coreanos, incluindo amigos e ex alunos do GM Park Sung Jae, que andam discutindo sobre a possibilidade de criar uma nova confederação internacional agregando várias linhas de HAPKIDO e tendo o GM Park Sung Jae como líder.
 
Atualmente existem por volta de 18 associações de HAPKIDO na Coréia e não é uma tarefa fácil convencer esse pessoal a unificarem estas organizações.
 
Outro movimento que seria de interesse do GM Park Sung Jae é sobre a criação de uma nova organização internacional com sede no Brasil, a exemplo de como fizeram outros grandes mestres como Ji Han Jae, Joo Bang Lee, etc.
 
Linhagem do GM Park Sung Jae.
 
Won Rae Park
 Ik Joon Hong
 No Suk Pak
 Park Sung Jae
 
NOTA: VALE LEMBRAR QUE EMBORA AS ACADEMIAS FOSSEM FILIADAS A CERTA ASSOCIAÇÃO/FEDERAÇÃO E QUE ESTA VISAVA A PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NOS TREINAMENTOS E APRENDIZADOS DE TÉCNICAS, CADA ESCOLA AINDA CONTINUAVA A MANTER CERTAS VARIAÇÕES DE ESTILOS (ORA MAIS CIRCULAR, MAIS DIRETO, OUTRAS ARMAS, MÃO ABERTA, ETC). É POR CAUSA DISSO QUE VEMOS DIFERENTES ESTILOS, MESMO PERTENCENTES AS MESMAS ORGANIZAÇÕES.
 
Nota: Este material foi elaborado por Delmo Augusto de Menezes – 8º Dan de HAPKIDO através de conversas pessoais e privadas com o GM Park Sung Jae em sua residência.