Arte Marcial – História

Arte marcial é um sistema codificado de práticas e tradições de combate a qual pode ser praticada por uma série de motivos: defesa pessoal, competição esportiva, saúde física e condicionamento, entretenimento, bem como para desenvolvimento mental e espiritual.
 
Embora o termo arte marcial esteja associado com as artes de combate do leste da Ásia, na verdade este termo originalmente se referia aos sistemas de combate da Europa na década de 1550.
 
O termo é derivado do latim e significa “Arte de Marte”, o deus romano da guerra.
 
Alguns historiadores argumentam que o termo arte de luta ou sistema de luta seria mais apropriado tendo como base que muitas artes marciais nunca foram marcial no sentido de que tenham sido usadas ou criadas por guerreiros profissionais ou para aplicação efetiva em campos de batalha.
 
Muitas pessoas também consideram os países da Ásia como o nascedouro mundial das artes marciais.
 
Embora não seja correto afirmar que a Ásia é o local exclusivo de nascimento das artes marciais não se pode deixar de afirmar que a maioria das mais proeminentes artes marciais se originaram desta região.
 
Além dos antigos heróis de artes marciais da China (Shaolin), Japão (Samurai) e Coreia (Hwarang), o mundo já testemunhou grandes lutadores como os espartanos, vikings, mongóis, hunos, romanos, otomanos, macedônios, godos, cavaleiros, persas e celtas.
 
Apesar da evidência mais antiga das artes marciais remontar milênios, as verdadeiras raízes são difíceis de reconstruir. Padrões inerentes de lutas que inspiram a prática de combate corpo a corpo e sistematização de técnicas são sem dúvida herdadas da fase pré-histórica do homem e foram inseridas como uma “arte” desde o mais tenro surgimento deste conceito e não dependeram de uma tradição ou época específica mas sim sempre fizeram parte do universo humano em todas as culturas.
 
Os primeiros indícios para fins específicos de artes marciais como praticada no passado vem de representações de lutas, tanto na arte figurativa e na literatura antiga, além da análise de evidências arqueológicas, especialmente de armas. A mais antiga obra de arte retratando cenas de batalha, datadas de 3400 aC, foram de pinturas egípcias que mostram alguma forma de luta e também de relevos e poemas datados de 3000 aC encontrados na Mesopotâmia (Babilônia). No Vietnã foram encontrados desenhos e esboços, datados de 2879 aC, com certas formas de combate combinado com o uso de espada, bastão e lanças.
 
Na China antiga, o imperador amarelo Huangdi (2698 aC) é descrito como um general famoso que, antes de se tornar o líder da China, escreveu extensos tratados sobre medicina, astrologia e as artes marciais.
 
As técnicas de sobrevivência e de conceitos militares podem ter surgido em todos os lugares e em momentos semelhantes ou não, onde se encontrava o ser humano.
 
Portanto, a arte de se defender, de obter comida, de conquistar o parceiro sexual, com uso de técnicas que foram sendo incorporadas baseadas na experiência e na eficácia do seu uso, não pode ser atribuída somente a uma específica cultura, sociedade ou nação.
 
É claro que a religião, cultura, política, economia e ambiente influenciaram mais ou menos cada região, sendo que este conjunto de fatores pode ter alavancado mais este tipo de arte/atividade mais em alguns lugares do que outros.
 
É por este motivo que é muito difícil tentar achar as origens de determinado estilo de arte marcial, até porque são muitos raros, talvez até inexistentes, localizar verdadeiros criadores/fundadores/pais de determinados estilos.
 
O que existe são pessoas que em função do seu trabalho impulsionaram ou mudaram de direção determinadas linhas de artes marciais, recodificando treinamentos e incorporando novas técnicas observadas de outros estilos.
 
Tudo que aconteceu foi baseado no acumulo de conhecimento de uma geração para outra.
 
São conhecimentos acumulados que em determinado ponto sofreram uma guinada , uma transformação, uma nova ideia, porém sempre tendo como base uma conhecimento acumulado anterior.
 
Obviamente a medida que técnicas militares vão evoluindo e passam a ser fatores de dominação, esses conhecimentos passam a ter maior exclusividade para grupos seletos.
 
Existe também a situação em que a arte marcial voltada para a prática real se difere da arte marcial mantida sob o aspecto apenas cultural e não de uso prático. Aquele tipo de arte marcial de preservação cultural e não de uso militar especificamente falando. Por exemplo, Kiudo, Kendo, Haedong Gundo, Iaido, etc.
 
A arte marcial se direciona para o esporte quando as formas de disputa se tornam competitivas e neste caso podem se desassociar de suas origens combativas do universo marcial. Praticantes de algumas artes como Taekwondo, Judo, Kickboxing, etc. treinam exclusivamente para eventos esportivos, deixando de lado seu aspecto marcial, enquanto que os de outras artes como Aikido, HAPKIDO (algumas linhas), etc., geralmente rejeitam tais competições.
 
Algumas escolas acreditam que competições geram praticantes melhores e mais eficientes, bem como oferece uma sensação de desportivismo.
 
Outras acreditam que as regras de competições reduzem a eficácia de combate da arte marcial e encoraja tipos de práticas que se concentram exclusivamente em ganhar troféus ao invés de focar em como cultivar um melhor caráter.
 
As artes marciais asiáticas experimentaram uma onda de popularidade no ocidente durante a década de 1970 e a crescente demanda resultou em inúmeras escolas de baixa qualidade ou fraudulentas.
 
Novamente, mais recentemente em função do UFC e outros eventos televisivos de combate, muitas escolas de MMA estão surgindo sem que haja a devida preparação de professores, formados por escolas tradicionais e orientados por mestres respeitáveis e conhecedores das artes marciais em sua essência.
 
Basta um pouco de conhecimento de chutes, boxe e luta de chão para abrir uma academia de MMA.
 
Por estes motivos é muito importante que cada escola de arte marcial esteja ligada a uma organização oficial e devidamente regulamentada pelas leis do desporto nacional.
 
Texto elaborado por Delmo Augusto de Menezes (HAPKIDO 8º DAN)
 
Fonte: textos diversos da Wikipedia e parte autoral.